Pensar em Jesus como médico leva-nos a considerar como o próprio Deus se relaciona com o nosso sofrimento, pois Jesus é encarnação do Deus vivo. Nos evangelhos, Jesus se opôs à enfermidade e ao sofrimento, se identificou com aquele que sofre. No início do Seu ministério, Ele anunciou que a cura de doenças era um dos Seus principais objetivos. 

“O Espírito do Senhor está sobre mim, pelo que me ungiu para evangelizar os pobres; enviou-me para proclamar libertação aos cativos e restauração da vista aos cegos, para pôr em liberdade os oprimidos, e apregoar o ano aceitável do Senhor” (Lucas 4:18-19).

Quando questionado pelos discípulos de João acerca de Sua identidade messiânica, Ele destacou o mesmo objetivo.

“Então, Jesus lhes respondeu: Ide e anunciai a João o que vistes e ouvistes: os cegos veem, os coxos andam, os leprosos são purificados, os surdos ouvem, os mortos são ressuscitados, e aos pobres, anuncia-se-lhes o evangelho” (Lucas 7:22).

Jesus chorou quando Lázaro faleceu, demonstrando não ter prazer algum no sofrimento, mas em vez disso o lamentou. O próprio Jesus experimentou o sofrimento. No Getsêmani, Ele aceitou a dor quase como último recurso e na cruz deparou-se com a dor do silêncio de Deus. O sofrimento de Cristo no calvário nos faz voltar à passagem de Isaías, o mais expressivo dos profetas. 

“Era desprezado e o mais rejeitado entre os homens; homem de dores e que sabe o que é padecer […] Mas ele foi transpassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados” (Isaías 53:3,5).

A encarnação possibilitou a empatia de Deus pelo nosso sofrimento. Enquanto Ele não se revestisse do suave tecido da carne, junto às células nervosas, tão precisas e sujeitas aos maus-tratos como a nossa, não teria realmente experimentado a dor. Por meio de Jesus, Deus aprendeu a sentir a dor da mesma forma que sentimos. As nossas orações e gemidos de sofrimento agora são mais inteligíveis para Ele, pois as compreende. Cristo identificou-se com as pessoas de forma tão completa, que assumiu o lugar e suportou a dor dessas pessoas. No evangelho de Mateus, Jesus mostrou-se favorável à caridade feita ao faminto, ao sedento, ao enfermo, ao que não possui roupas, ao errante e aos prisioneiros, como se estas fossem feitas a Ele.

“Porque tive fome, e me destes de comer; tive sede, e me destes de beber; era forasteiro, e me hospedastes; estava nu, e me vestistes; enfermo, e me visitastes; preso, e fostes ver-me. Então, perguntarão os justos: Senhor, quando foi que te vimos com fome e te demos de comer? Ou com sede e te demos de beber? E quando te vimos forasteiro e te hospedamos? Ou nu e te vestimos? E quando te vimos enfermo ou preso e te fomos visitar? O Rei, respondendo, lhes dirá: Em verdade vos afirmo que, sempre que o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes” (Mateus 25:35-40). 

Em Atos 9:4, durante a ofuscante manifestação divina no caminho de Damasco, Jesus perguntou: “…Saulo, Saulo, por que me persegues?” Os maus-tratos sofridos pelos cristãos perseguidos tinham atingido o próprio Jesus. A Sua empatia com a nossa dor chegou a esse ponto. Como diz o provérbio: “O médico que não foi ferido não pode curar.”
Chesterton(1874–1936) é um grande pensador cristão e diz em uma das suas obras: “as mãos que fizeram o Sol e as estrelas”, agora são as mãos que curam, as mão de Cristo, o médico. Ele não fazia milagres em massa, mas individualmente, tocando cada pessoa, atuando de maneira íntima e pessoal. Jesus nos é simpático, Ele se identifica com as nossas dores, com o nosso sofrimento. E por esta razão, Ele é capaz de ser Salvador e Senhor. 
Ao ser questionado pelos fariseus e escribas por comer com publicanos, Ele trouxe para si a figura de médico: “Respondeu-lhes Jesus: Os sãos não precisam de médico, e sim os doentes. Não vim chamar justos, e sim pecadores, ao arrependimento” (Lucas 5:31-32). 

    
      Resultado de imagem para jesus curando
 
Por meio da iniciativa divina podemos ter uma vida abundante com Jesus. Ele mais do que ninguém, se identifica com as nossas feridas, sejam elas quais forem. A nossa dor se tornou a dor de Deus. Não estamos isentos da dor, mas temos a esperança de que não estamos sós, temos um médico que é capaz de sarar nossas feridas.

                                                                           por Wesley Oliveira